Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Páginas de estórias e da História

Um blog sobre tudo e mais alguma coisa!

Páginas de estórias e da História

Um blog sobre tudo e mais alguma coisa!

Pedaços de História

Setembro 10, 2017

Pedro Rodrigues

Pegando no nome de um blog que tive na primeira quinzena de Julho, inicio aqui uma rubrica, que vou tentar manter diariamente, sobre História de Portugal. Uma História emocionante, que começa nos finais do século XI e vai até aos dias de hoje...

 

1096:

Casamento de Dom Henrique de Borgonha com D.ª Teresa, filho de Afonso VI, recebendo como dote as terras a sul do Rio Minho (os condados Portucalense e de Coimbra).

Dom Henrique concede foral a Guimarães.

Sagração em Santarém de Geraldo de Moissac como arcebispo de Braga, pelo primaz de Toledo.

 

1099:

Maurício Burdino é nomeado sucessor de  Crescónio, como bispo de Coimbra.

 

1100:

Viagem a Roma do arcebispo de Braga, Dom Geraldo, para obter do papa, Pascoal II, a dignidade metropolítica para a Sé de Braga, a título definitivo. Dom Geraldo levou a efeito um conjunto de reformas a nível eclesiástico, moral e administrativo, conseguindo, desta forma, aniquilar os focos de resistência anti-romana na sua diocese. A autonomia eclesiástica de Braga seria o prenúncio da independência do Condado Portucalense.

Auxílio do conde Dom Henrique a Afonso VI de Leão, na sua qualidade de vassalo, na Batalha de Malagón, contra os Almorávidas.

 

1101:

Delimitação papal das fronteiras da diocese de Coimbra.

 

1102:

Eleição de Diego Gelmírez, antigo escriba do conde Dom Raimundo de Borgonha (Senhor da Galiza), para arcebispo de Santiago de Compostela. Foi um dos maiores prelados compostelanos: reformou o cabido, concluiu a catedral, começada em 1077 pelo seu antecessor, engrandeceu a sua diocese com bens e privilégios e conseguiu que esta ficasse isenta de Braga e fosse elevada a metrópole pela transferência para ela das dioceses sufragâneas de Mérida.

Diego Gelmírez organiza o roubo das relíquias dos santos mais venerados em Braga, com o fim de eliminar esta cidade como centro de peregrinação que o bispo Pedro aí pretendera criar e transferir para Compostela a supremacia eclesiástica sobre a antiga província da Galécia.

 

1103:

Viagem do bispo de Braga, Dom Geraldo, a Roma, obtendo confirmação da jurisdição sobre todas as dioceses da Galiza, nomeadamente Astorga, Mondoñedo, Orense, Tui e, ainda em Portugal, sobre o Porto, Coimbra, Lamego e Viseu.

Batalha de Vatalandi, perto de Santarém, entre muçulmanos e cristãos, com a morte de Soeiro Fromarigues, senhor de Grijó.

 

1105:

Pacto sucessório entre o conde Dom Henrique e o conde Dom Raimundo pelo qual, por morte de Afonso VI, o primeiro reconhecia o segundo como o legítimo herdeiro dos reinos de Leão, Castela e Galiza e prometia defendê-lo contra qualquer homem ou mulher, na qualidade de seu vassalo. Raimundo, por sua vez, jurava conceder a Henrique o território de Toledo, com um terço dos seus tesouros, ou o reino da Galiza.

Nascimento, em Março, de Afonso Raimundes, filho do conde Dom Raimundo e de D.ª Urraca, posteriormente coroado rei da Galiza e imperador Afonso VII.

 

1107:

Morte do conde Dom Raimundo da Borgonha.

 

1108:

Morte de Soeiro Mendes da Maia, protector da rainha D.ª Teresa, e o mais categorizado auxiliar do conde Dom Henrique, ficando encarregado de o substituir, na qualidade de autoridade máxima do Condado Portucalense durante as suas longas ausências.

Morte do arcebispo de Braga Dom Geraldo, depois de um governo curto mas intenso, em que reorganizou a escola da catedral e o cabido, continuou as obras da Sé, recuperou bens eclesiásticos usurpados, reformou o culto e a liturgia com a introdução do rito romano e recuperou, para a sua igreja, os direitos de metrópole de toda a província da Galiza. Sucedeu-lhe Maurício Burdino, personalidade porventura mais maleável, já que durante o exercício das suas funções não se verificaram conflitos graves com os seus diocesanos de Coimbra e Braga.

 

1109:

Morte de Afonso VI, segundo filho de Fernando Magno e da rainha Sancha. Foi rei de Leão, Castela e Galiza e intitulado imperador de Espanha.

Viagem de Dom Henrique a França (1109-1110) para consultar o abade de Cluny acerca das decisões tomadas pelas Cortes de Toledo, onde se procurou resolver o problema da sucessão ao trono, após a morte do conde Dom Raimundo.

 

1110:

Intriga do arcebispo de Santiago de Compostela, Diego Gelmírez, empenhado em acabar com a concorrência de Braga como centro de peregrinação, levando à destruição da parte já construída da Sé desta diocese, pelos maiorinos da condessa D.ª Teresa.

 

1111:

Revolta em Coimbra de moçárabes, liderada por Martim Moniz, contra a autoridade do conde Dom Henrique. O conde aceita as principais reivindicações dos antigos dirigentes moçárabes sublevados, concedendo o foral à cidade.

Ofensiva almorávida que originou a reconquista de Santarém e ameaçou Coimbra.

 

1112:

Atribuição pelo conde Dom Henrique dos forais de Sátão, Soure, Tavares e Azurara da Beira, com o objectivo de reforçar os privilégios das comunidades locais e para as encorajar a participar na defesa do território cristão, então gravemente ameaçado pelos Almorávidas.

Morte do conde Dom Henrique na cidade de Astorga, tendo determinado que o seu corpo fosse sepultado em Braga.

 

Fonte: "HISTÓRIA DE PORTUGAL EM DATAS", do Círculo de Leitores.

Blind Zero editam novo disco

Setembro 10, 2017

Pedro Rodrigues

Os Blind Zero editam o novo "Often Trees" a 6 de Outubro, um disco surpreendente, químico e intemporal, revelador da enorme criatividade da banda.

Produzido por Nuxo Espinheira, "Often Trees" foi misturado por Nelson Carvalho e masterizado em Nova Iorque por Andy VanDette (David Bowie, The Dear Hunter, Beastie Boys, Tim Burton e Danny Elfman).

Ao já conhecido single "You Have Won", tema de avanço, juntam-se "Our Place by The Lake", "Tormentor", "Lost in Another Mental Escape", "Queen: Someone", "Palm", "The Siren", "It's a Bright Bright Night", "Chromosphere" e a participação em "War is Over" de Jo Hamilton (compositora e multi-instrumentista de Birmingham, autora do muito aclamado "Gown").

Mais do que pela contemplação, este disco toma parte. Tem uma palavra a dizer. Engloba um imaginário sombrio e poético, de perseguição e novelos, passeia pela berma dos lagos e sobe à copa das árvores. O imaginário não podia ser mais tenso.

"Often Trees", o oitavo álbum dos Blind Zero, é um disco de mutação sonora, onde a cada escuta multiplicam-se novas camadas. O seu tronco robusto assenta também no uso de equipamento analógico com mais de quatro décadas e na longa experimentação em busca do detalhe.

A visão perturbadora de "Tormentor", a subtração da luz em espelho de "It's a Bright Bright Night", os passos tomados pelas nuvens em "Our Place by The Lake", a ironia agonizante de "Queen: Someone", a despedida a pés firmes com "You Have Won". A perturbação policial e asfixia em "The Siren", a perfeição sincopada de "Palm", os destroços de guerra de "War is Over" ou os beats perturbadores de "Lost in Another Mental Escape" ou a vertigem angular de "Chromosphere" (faixa que encerra o disco). Um disco que pretende não ficar indiferente e a obra maior da banda até à data.

Com 23 anos de percurso, o grupo de Miguel Guedes, Nuxo Espinheira, Pedro Guedes, Vasco Espinheira e Bruno Macedo revela, uma vez mais, a sua capacidade de reinvenção sem perder a identidade que os distingue e os tem projectado ao longo destas duas décadas. Um percurso ímpar celebrado em palco onde demonstram a força que os anos têm solidificado.

O concerto de apresentação de "Often Trees" será marcado pela estreia de muitas das canções do disco e acontecerá no dia 20 de Outubro, às 23h00, na Casa da Música, no Porto. Os bilhetes custam 15€ e já estão à venda na Casa da Música e nos locais habituais.

 

Texto de Rui Lavrador para o "Infocul"

U2 estão de volta com um álbum íntimo e político.

Setembro 10, 2017

Pedro Rodrigues

Numa entrevista ao New York Times, os irlandeses U2, uma das mais populares bandas rock do planeta das últimas décadas, confirmou aquilo que se especulava há algumas semanas: o grupo está a ultimar um novo álbum, de título Songs of Experience, que será lançado no dia 1 de Dezembro.

 

The Blackout

 

Algumas dessas canções têm vindo a ser reveladas nos concertos que o grupo tem dado nos últimos meses na Europa, nomeadamente três delas - The Blackout, The little things that give you awayYou're the best thing about me. Para além destes temas haverá ainda uma versão longa de XXX, tema do rapper norte-americano Kendrick Lamar, no qual Bono participou este ano e que está inserido no álbum do primeiro.

 

The little things that give you away

 

O disco contará com as colaborações dos Royal Blood, Ryan Tedder (One Republic), Jacknife Lee e Steve Lillywhite, e constituiu uma espécie de continuação do álbum de 2014 Songs of Innocence, que fazia referência às primeiras influências e experiências do grupo, entre o final dos anos 1970 e o início dos anos 1980, enquanto o novo registo se concentrará no universo mais íntimo de Bono, mas tendo como contexto os conflitos no mundo actual.

Como single já foi editado You're the best thing about me, que tem a particularidade de ter na capa uma fotografia do realizador e habitual fotógrafo do grupo, Anton Corbijn, tirada à filha do guitarrista The Edge, Sian Evans. Numa actuação há dois dias no popular programa da TV americana Jimmy Fallon The Tonight Show, o grupo acabou por tocar o single e também uma recriação de Bullet the blue sky, canção do álbum The Joshua Tree onde Donald Trump foi visado com alusões críticas.

 

You're the best thing about me

 

Aliás, aquele que será o 14.º álbum da carreira dos U2 já podia ter sido editado, mas foi adiado após a eleição de Trump em 2016. "Estas eleições foram um choque para o sistema", comentou Bono, que acrescentou que o álbum iria funcionar como resposta a esse abalo.

 

Fonte: jornal "PÚBLICO" de 10 de Setembro de 2017

 

 

Cinema: Palmarés da 74.ª edição do Festival de Veneza

Setembro 10, 2017

Pedro Rodrigues

Leão de Ouro:

The Shape of Water, de Guillermo del Toro

 

Leão de Prata, Melhor Realizador:

Xavier Legrand, por Jusqu'à la Garde

 

Grande Prémio do Júri:

Foxtrot, de Samuel Maoz

 

Taça Volpi, Melhor Actor:

Kamel El Basha, por The Insult, de Ziad Doueiri

 

Taça Volpi, Melhor Actriz:

Charlotte Rampling, por Hannah, de Andrea Pallaoro

 

Prémio Especial do Júri:

Country, de Warwick Thornton

 

Osella de Oro, para a Melhor Contribuição Técnica:

Não atribuído

 

Osella de Oro, para o Melhor Argumento:

Martin McDonagh por Three Billboards Outside Ebbing, Missouri

 

Prémio Marcello Mastroianni para um actor ou actriz emergente:

Charlie Plummer, por Lean on Pete, de Andrew Haigh

 

O júri, presidido pela actriz Annette Bening, integrou a cineasta e argumentista húngara Ildikó Enyedi, o realizador Michel Franco, as actrizes Rebecca Hall, Jasmine Trinca e Anna Mouglalis e o realizador e argumentista Edgar Wright. O prémio Luigi de Laurentiis para a melhor primeira obra, escolha de um júri específico, foi atribuído a Jusqu'à la Garde, de Xavier Legrand. A secção Horizontes escolheu, como melhor filme, Nico, 1988, de Susanna Nicchiarelli.

 

Fonte: jornal "PÚBLICO"

Há Festa na Aldeia em Ul - Oliveira de Azeméis

Setembro 10, 2017

Pedro Rodrigues

Há Festa na Aldeia 2.jpg

As velhinhas Famel ainda andam! 

 

Há Festa na Aldeia 3.jpg

A galinha de Ul

 

Há Festa na Aldeia 4.jpg

O convívio entre gerações e famílias.

 

Pão de Ul.jpg

Assim se confecciona o pão de Ul... um pão delicioso e totalmente artesanal!

 

Os moinhos.jpg

Um dos seculares moinhos de Ul, agora restaurado...

 

Parque Molinológico.jpg

O Parque Molinológico...

 

Parque Molinológico 1.jpg

Há Festa na Aldeia!

 

Kumpania Algazarra.jpg

A Kumpania Algazarra no encerramento do primeiro dia do Há Festa na Aldeia!

 

Fotos: Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis

Há Festa na Aldeia em Ul - Oliveira de Azeméis

Setembro 10, 2017

Pedro Rodrigues

Momentos do 1º dia!

FB_IMG_1505026904583.jpg

FB_IMG_1505026174313.jpg

FB_IMG_1505026146816.jpg

FB_IMG_1505026662065.jpg

FB_IMG_1505026933439.jpg

O convívio inter-geracional e a fruição do belíssimo espaço do Parque Molinológico é o que melhor fica para recordação de quem visita a aldeia de Ul por estes dias. Já para nem falar do sabor do pão tradicional da terra!

 

Fotos: Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D